Requerimento No 4960/2018

TEXTO COMPLETO

Requeremos à Mesa, ouvido o Plenário e cumpridas as formalidades regimentais,
que seja formulado Voto de Aplausos ao Centro Cultural Casa da Rabeca do Brasil
pela passagem dos seus 16 anos.

JUSTIFICATIVA

A Casa da Rabeca do Brasil é a materialização de um sonho da cultura
pernambucana. Um sonho que, ao nascer no coração do mestre Salustiano, alcançou
o anseio dos pernambucanos e na cidade Tabajara, em Olinda, se formou um palco
agregador das manifestações mais autênticas e plurais da cultura Pernambucana.
Desde 2002, a Casa da Rabeca é um espaço dedicado à preservação da cultura e
tradição do Estado. Um ambiente de resistência e identidade, que reúne o melhor
da nossa arte e apresenta ao mundo.
No início, era apenas uma tenda coberta de palhas de coqueiros,
coincidentemente a árvore símbolo de Olinda. Funcionava aos domingos e recebia
familiares, sanfoneiros, rabequeiros, zabumbeiros, pandeiristas, triangueiros,
emboladores de coco, mestres de maracatu, cavalo marinho, cirandeiros e os
amigos da Zona da Mata Norte de Pernambuco.
O lendário Mestre Salu foi o idealizador da Casa da Rabeca. Ex-cortador de cana
de açúcar e filho do grande rabequeiro João Salustiano, Salu dedicou
intensamente seus dias à cultura do seu lugar. Começou ainda menino a brincar
Maracatu e Cavalo Marinho, chegando a receber o título “Doutor e patrimônio
vivo da cultura popular de Pernambuco”. Reconhecido nacionalmente, foi
agraciado em Brasília com a Comenda do Mérito Cultural Brasileiro.
Hoje, o espaço é um reduto de artistas populares. É um dos pontos de
resistência da arte popular de Pernambuco, formando novas gerações do Maracatu
e aberta a tantas outras expressões culturais de raiz.
Com apresentações de forró de rabeca, encontros de cavalo marinho e maracatus,
entre outras manifestações do povo, grandes nomes da nossa música já passaram
pelo seu palco, entre eles Santanna, Alcymar Monteiro, Geraldinho Lins, Antonio
Carlos Nóbrega, Maciel Melo, Nadia Maia, Cristina Amaral, Petrúcio Amorim,
Mazinho de Arcoverde, Irah Caldeira, Lia de Itamaracá, Território Nordestino,
Genival Lacerda, Sirano & Sirino, dentre tantos outros.
Ao completar 16 anos, a Casa da Rabeca – por meio de Pedro Salustiano e demais
colaboradores – concretiza uma marca de qualidade, autenticidade e grandeza
cultural em Pernambuco.
Perante o exposto, solicito aos meus pares a aprovação deste requerimento.